Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dados que contam histórias

Dados que contam histórias

(#28) Telemóvel, gato, poço

por Guilherme Fonseca, em 16.03.16

dados-28.JPG

 

 

R:

Tinha sido culpa do gato. Era sempre culpa do gato porque, na maioria das vezes, o sacana acertava. Habituara-se a isso e, das vezes em que tentou ignorar, tinha-se dado mal. Por isso, corresse bem ou mal, era culpa do gato. 

Agora estava ali, no meio do bosque, à procura de alguma coisa, mas sem saber bem o quê. Nunca sabia ao que ia: o gato dava o sinal e ele seguia-o, até encontrar qualquer coisa. As pessoas chamavam-lhe herói, sem saberem que a culpa era do gato. 

O que haveria agora para si? Uma senhora para salvar de um assalto? Um cartel de droga para desmantelar? Soube-o quando chegou junto do poço e ouviu aquele som tão familiar, mas tão desenquadrado naquele ambiente. Triiiim, triiim. 

Lembrou-se de reformular uma questão que ouvira muitas vezes quando era criança: se um gato te disser para te atirares a um poço… atiras?

 
∞∞∞
 
G:

Ela de costas. Ele ali pousado, mesmo a jeito. Tão a jeito que metia nojo. Bastava um toque, tão pequeno que podia mesmo ser sem querer, que cairia para o fundo daquele poço. Podia sempre dizer que tinha sido o gato. Ela não saberia, que estava de costas. Tinha tanta vontade mas era tão errado. Metade do seu corpo dizia que não, a outra dizia que sim, e a sua mão, mais precisamente a ponta do seu dedo, estavam já a concordar.

Encostou a unha e fez um bocadinho de força. O telemóvel foi engolido pelo escuro do poço, em silêncio. Ela nem suspeitou. Perfeito. Teria agora a atenção dela, sem distrações. Ela iria olhá-lo nos olhos, sem os desviar de 20 em 20 segundos para aquele ecrã. Olhariam um para o outro como não acontecia há anos, pelo menos até ela se aperceber. 

Mais sobre mim

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D